texto que não dá para ler sobre (não-)livro que não é para ler:

sobre_rangimento

Primeiro, dizer:

Sobre o tema, expresso de forma muito directa nos “4000 imigrantes” — onde as letras “nte” estão rasuradas, apagadas, riscadas —, dizer apenas que só alguém muito atento às questões das migrações podia produzir um trabalho que, sem premeditação, viria a circular a par com os acontecimentos das últimas semanas.

Depois, perguntar:

Livro de Artista? Livro experimental? Livro de poesia visual? Livro de poesia interactiva? Ou como diz a autora: “quase-não-livro-objecto de poesia visual interactivo”? Sobretudo: um artefacto que, como objecto experimental que é, coloca em questão as fronteiras de género e as caixas balizadas em que se tende a querer colocar os trabalhos poéticos.

rangimento é: 10 páginas encadernadas em espiral com mais 3 destacáveis.

Mas tudo é debatível:

10 páginas”

Questiono se:

Estas páginas são páginas? (É que o espaço da página é usado como um espaço que extrapola a página: não se respeita o protocolo de escrita nem as regras de leitura. Os significantes são trabalhados no espaço da página, os significados são trabalhados ao longo das páginas, em mutação permanente promovida pelo manuseamento do livro. Cada página é uma página e, por cada página ser transparente, cada página é sempre todas as páginas; o mesmo é dizer que: todas as páginas são uma página.)

[Interacção-Instanciação.]

10 páginas encadernadas”

Pergunto se:

É possível falar de encadernação? Em que sentido? A espiral metálica que suporta as páginas e as mantém numa certa ordem dá-lhe mesmo uma ordem? (É que consigo ver todas as páginas mesmo com o livro aberto na primeira página, ainda que os significantes se acumulem em sobreposições várias.)

[Transparência/Interferência.]

10 páginas encadernadas em espiral”

Diria que:

Mais importante do que a espiral metálica da extremidade do livro é a espiral vertiginosa da significação que se avoluma em perspectiva multiforme através da legibilidade e ilegibilidade das páginas a partir de determinado ponto de visualização. E o manuseio não ajuda:

Estou na primeira página; manuseio para ler melhor — folheio o livro; acedo a novas camadas — perco as anteriores; olho só para uma página — são resquícios de sentido; sobreponho três páginas — a parte fala pelo todo, mas gagueja e arrasta a fala; volto ao todo — as páginas deram a volta na espiral e eu já não sei qual era a primeira ou a última página. Perco-me no que nunca foi.

[Iteratividade. Extranoemática.]

10 páginas encadernadas em espiral com mais 3 destacáveis.”

Parece-me que:

Talvez a parte mais interessante deste livro sejam os destacáveis, pequenas folhas que se intrometem nos acetatos pela mão do/a leitor(a). Nova camada de sentido em ruptura com o que já lá estava, se alguma vez lá esteve. Ou: Velha camada de sentido em abono do que não lá estava, ainda que sempre lá tenha estado. As três folhas avulso (2 cartões e 1 acetato) distribuídas pela autora são bons, mas melhor é a infinita possibilidade de o/a leitor(a) trazer tudo o que quiser e a sua imaginação lhe permitir para o meio destas páginas.

[Apropriação. Obra aberta.]

Sobre este livro ou não-livro apenas é certo que: raaaangeeeeeeee!
Anúncios

About Bruno

My name is Bruno and I’m Ph.D Student in the Doctoral Program in the Materialities of Literature at University of Coimbra. I’m also a poet, performer, and digital artist who believes in a practice-based research model for knowledge production.

One thought on “texto que não dá para ler sobre (não-)livro que não é para ler:

Diz coisas

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s